A incrível lenda do vinho chianti

A cepa tinta mais cultivada da Itália, a sangiovese, pode produzir o vinho chianti, de nível mundial, de médio a muito encorpado, acidez vivaz, de taninos suaves e granulados com sabores de ervas, baunilha e cereja amarga. Considerada uma cepa autóctone italiana dentro de um rico patrimônio de uma longa história em viticultura, na qual os produtores desenvolveram variedades que aproveitam as condições locais como o clima, o terroir, etc.


Características da uva sangiovese

A uva sangiovese é uma casta tinta que domina praticamente toda a região central da Itália, mas é grandiosa na Toscana, nas regiões de Chianti, Brunello de Montalcino e Vino Nobile de Montepulciano. Ela produz vinhos de corpo médio a encorpado, secos, levemente picantes, com aromas e sabores de cereja amarga, especiarias, tabaco e ervas. Muito usada em associação com a cabernet sauvignon, os vinhos ganham a denominação de supertoscanos.

Como curiosidade: sangiovese em Latim é sanguis jovis, ou seja, sangue de Júpiter. Uma uva realmente de outro planeta!




Garrafa típica da Toscana

O formato da garrafa para vinhos desta região é o Chianti que também é curioso, muito conhecido e popular no mundo. Emblemático da Toscana, região de vinhos raros e locais, as garrafas são revestidas de uma palha, chamada fiaschi na Itália. Essa palha, para alguns, faz a garrafa parecer uma cebola. Entretanto, os vinhos Chianti têm sido embalados em garrafas com formatos mais retos, para facilitar o transporte e a armazenagem. Ele é tipicamente um vinho seco, com notas de fruta muito concentrada e é produzido com as uvas sangiovese, predominantemente, e canaiolo, ambas tintas, e as uvas trebiano e malvásia, brancas. A garrafa bojuda ainda pode ser encontrada em algumas tratorias italianas. Atualmente, este vinho tem a mais alta classificação na Itália, DOCG (Denominação de Origem Controlada e Garantida), não possui a palha tecida manualmente devido ao custo da mão de obra especializada e possui um selo estampado com a figura de um “Gallo Nero”, em português, Galo Negro.




O que significa “Gallo Nero”?

Uma curiosidade do vinho chianti é o seu selo de autenticidade representado pela imagem de um “Gallo Nero”! Você sabe por que esse vinho da Toscana (Itália) recebeu em seu rótulo um Galo Negro como símbolo ícone? Uma história muito divertida narra a rivalidade entre as cidades toscanas de Siena e Florença, na época da Idade Média.

Conforme a lenda, para acabar com essa briga, as duas cidades resolveram definir suas fronteiras de uma maneira totalmente inusitada. Um cavaleiro de cada cidade teria que acordar quando o galo cantasse e andaria de encontro ao outro; o exato ponto em que se encontrassem delimitaria a fronteira, encerrando de vez o conflito. Os sienenses escolheram um grande e gordo galo branco bem alimentado. Em Florença, por sua vez, os florentinos escolheram um galo preto qualquer e deixaram de alimentá-lo por dias.

Na manhã da decisão final, o galo preto dos florentinos estava tão faminto, que começou a cantar antes mesmo do Sol nascer. Como o cavaleiro florentino acordou e saiu caminhando mais cedo, ele andou muito mais, encontrando o outro cavaleiro ainda muito próximo à Siena. Com isso, Florença ganhou várias terras de vantagem na demarcação da fronteira!

Essa é a razão pela qual quase todo o território de Chianti foi unido sob o governo da República Florentina e também é a razão do Gallo Nero como símbolo alegórico da região do Chianti Classico, sendo utilizado pelo Consorzio Vino Chianti Classico como símbolo da certificação dos seus vinhos, promovendo-os e protegendo-os de falsificação, por meio de um selo!




Chianti Classico

Hoje, a região do Chianti Classico, situada na Toscana, entre as cidades de Siena e Florença é composta por 9 municípios, com 7.000 hectares de vinhedos registrados. E, de acordo com os regulamentos de produção desta DOCG um Chianti Classico deve ter um percentual mínimo de 80% de sangiovese ou mais.

Suas peculiaridades são uma cor límpida de vermelho rubi, aroma com notas florais e com um sabor harmonioso, seco, bom nível de tanino. Mas como reconhecer um verdadeiro Chianti Classico? Procure pelo selo de certificação do Gallo Nero!

A Wine Lovers tem três sugestões de vinícolas italianas que possuem o selo do Galo Negro.

A Casa Vinícola Alberto Bartali (www.bartalivini.it) foi fundada em 1927 por Alberto Bartali e Leda Pucci, sua esposa. Fundada no coração da zona de Chianti, na cidade de Monteriggioni, na Itália. Conheça dois de seus vinhos chianti:

O primeiro é o Terre Delle Civette Chianti DOCG com 80% sangiovese e 20% canaiolo. Colheita manual, fermentação malolática. O vinho é mantido sobre as borras de 1 a 2 meses. Engarrafamento de 5 meses após colheita. Cor vermelho rubi brilhante. No nariz final aromático e perfumado com notas frescas de frutas. Na boca harmonioso, redondo e muito elegante. Harmoniza com assados, carnes refogadas, carnes brancas e vermelhas. (Medalha de Ouro Chianti Classico 2013)

Outra sugestão é o Terre Delle Civette Chianti Riserva DOCG com 100% sangiovese. Colheita manual. O vinho é mantido em contato com as borras durante 1 a 2 meses. Engarrafado por 24 meses após a colheita e descanso de mais 3 meses em garrafa. Cor vermelho rubi. No nariz, aromas intensos de frutas vermelhas e notas de especiarias. Na boca redondo, muito elegante, harmonioso e intenso. Combina bem com carnes brancas e vermelhas, assadas e refogadas. (Medalha de Ouro Chianti Classico Riserva 2010 e 95 pontos Best In Show 2013).

Alesssandro Griccioli, proprietário da vinícola Tenuta de Monte Chiaro também produz um vinho chianti, como segue: Anno Domini 345 Chianti Colli Senesi Riserva DOCG com 100% sangiovese. Colheita manual. Envelhecimento por 24 meses em barris de carvalho francês. Cor vermelho rubi intenso, notas de violeta, cereja, ameixa e especiarias doces. Na boca uma picância leve, taninos profundos e equilibrados com final persistente. Acompanha bem carne de caça e queijos curados.

Outra vinícola que oferece vinhos chianti é a Villa La Pagliaia. Com os exemplares: Chianti Classico Riserva DOCG com 100% sangiovese. Colheita manual. Após fermentação, o vinho é envelhecido por cerca de 24 meses em barris de carvalho eslavo e depois alguns meses em garrafa. Cor vermelho rubi brilhante, aromas intensos de violeta e blackberry. Na boca apresenta boa estrutura com taninos suculentos e uma acidez vibrante. Harmoniza bem com carnes em geral, com molhos encorpados, ossobuco, carne de porco, pato recheado e carré de cordeiro.

Mais um monovarietal é o vinho Chianti Clássico DOCG com 100% de sangiovese. Colheita manual. Fermentado em aço inoxidável e depois envelhecido durante 12 meses em barris de carvalho eslavo em seguida passa alguns meses em garrafa. De cor vermelho rubi brilhante. Possui aromas de cereja e violeta doce com um sabor fresco e frutado. Combina muito com massas, carnes vermelhas, pizzas, risotos e polentas.

Outra opção é o vinho Rosso Di Montalcino DOCG com 100% sangiovese. Fermentação malolática em aço inoxidável. Colheita manual. Envelhecimento durante 12 meses em barris de carvalho e mais 12 meses de descanso em garrafa. Cor vermelho rubi. No nariz apresenta média estrutura, aromas de frutas maduras como cereja, amora e cedro. Na boca taninos elegantes e macios. Frescor com longa e surpreendente persistência. Harmoniza com massas com molhos a base de carne vermelha, de caça, de vitelo, trufas e cogumelos. (Decanter Magazine 2013: 17,5 pontos/20 e Wine Spectator USA 2011: 88 pontos/100 – safra 2009).

O que você acha de experimentar essas maravilhas e realmente desfrutar de vinhos exclusivos, incomuns, inspiradores e acessíveis! A Toscana está ao alcance de um clique!

0 visualização

32 99987-2728

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco

© 2018 Wine Lovers